RISOTO DE PEQUI COM CARNE SECA

Como é um prato típico da minha região que eu amo de paixão, vou me dedicar um pouco a contar a história do pequi pra quem não conhecer. Ele é símbolo da cultura e da culinária de Goiás e Minas Gerais e também muito utilizado no estado do Mato Grosso do Sul. O pequi é encontrado em toda a região Centro-Oeste e nos estados de Rondônia, Pará, Tocantins, Maranhão, Piauí, Bahia, Ceará e nos cerrados de São Paulo e Paraná. Em Goiás podem ser encontradas todas as variedades, cuja frutificação ocorre entre os meses de setembro e fevereiro. Está na lista de espécies ameaçadas do estado de São Paulo. É encontrado também na Bolívia. No estado do Tocantins há uma cidade com o nome de Pequizeiro em homenagem à árvore, onde se celebra a festa do pequi todos os anos (vou ter que ir lá qualquer dia desses).
O Pequi – Pyqui em Tupi Guarani: py: pele, qui: espinhos, ou seja, pele com espinhos. Seus frutos são consumidos cozidos, puros (que é o meu favorito) e também com arroz e frango (bem tradicional). Seu caroço tem muitos espinhos, por isso que temos que roer o pequi e pegar com a mão mesmo, evitando assim de cravar os dentes, pois pode causar sérios ferimentos nas gengivas e no palato. O fruto é lindo e de cor vibrante e o seu sabor é bem marcante e peculiar. Pode ser conservado tanto em essência quanto em conserva.

ALGUNS BENEFÍCIOS DO PEQUI PARA A SAÚDE
– teor muito elevado de ácidos graxos monoinsaturados, que podem ajudar a diminuir os níveis de colesterol no sangue e proteger o nosso coração;
– tem efeitos anti-inflamatórios dos ácidos naturais encontrados no fruto, pode ajudar a aliviar a pressão sobre os vasos sanguíneos e relaxá-los, aumentando desse modo o fluxo sanguíneo e aliviando a pressão sobre o coração;
– tem quantidades elevadas de vitamina A e o beta-caroteno é um dos derivados da vitamina A. O teor de carotenoides de pequi é alta, atuando como antioxidantes, especificamente nas células oculares, ou seja, comer pequi pode melhorar a sua visão, impedindo a degeneração macular e catarata que muitas vezes são causados ​​pelos radicais livres;
– os altos níveis de fibra encontrados no pequi ajudam a melhorar a sua saúde digestiva por adicionar volume ao seu banco e reduzir a ocorrência de constipação, flatulência, cólicas e diarreia;
– é um excelente remédio natural contra a asma.
Então, pra inovar e matar a vontade do marido de comer pequi (e a minha também) ele sugeriu fazermos uma repaginação do prato, ao invés de arroz normal, usar o arbóreo e no lugar do frango, usar a carne seca. Além de lindo ficou muito saboroso, com a cor deslumbrante e um aroma inconfundível.

 INGREDIENTES:

1 litro de pequi (é assim que ele é vendido, por litro)
2 xícaras de café bem cheias de arroz arbóreo
1 pedaço pequeno de carne seca dessalgada (ferva a carne antes para sair o sal)
1 cebola média
1 dose generosa de cachaça
2 colheres de manteiga sem sal
2 litros de caldo caseiro de legumes (receita aqui) ou o industrial
cheiro verde para servir

MODO DE PREPARO:

Etapa 1
O primeiro passo é ficar com o caldo pronto. Depois é cozinhar o pequi com cebola, alho, óleo e água. Refogue os temperos, adicione o pequi e cubra com água, deixe a panela aberta para não sopitar e deixe o pequi cozinhar até ficar com a polpa macia e o caldo mais grosso. O importante aqui é ter bastante caldo, pois iremos misturar o caldo de legumes nesta panela. Reserve uns 5 pequis, deixe esfriar e raspe a polpa com uma colher ou faca lisa e reserve. Enquanto isso, fervente a carne seca, para tirar o sal e depois desfie levemente ou pique em cubos pequenos. Agora misture o seu caldo quente de legumes na panela do pequi e deixe em fogo baixo para ir apurando.

Etapa 2
Numa panela maior coloque a manteiga e a cebola picadinha e adicione a carne seca, deixando fritar. Quando estiver pronto, coloque o arroz arbóreo e misture bem. Adicione a dose de cachaça e deixe o álcool evaporar. Agora vem a parte boa, Adicione aos poucos colheradas do caldo de pequi, mas sem o pequi por enquanto. Adicione, mexa sem parar, deixe o caldo secar e adicione mais, este processo é constante até o grão do arroz começar a ficar cozido e ao dente.

Etapa 3
Depois de várias conchas de caldo de pequi, o arroz já deve estar quase no ponto, agora, pode colocar os pequis na panela do risoto e aquela raspa que você reservou, lembra? Tá quase pronto acerte o sal se for necessário, mas provavelmente não vai precisar, desligue o fogo e pronto. Para servir salpique cheiro verde por cima e bom apetite.

Rendimento: Para 2 pessoas

Fonte: Cozinha travessa

Nenhum comentário: